O contador de causos

Por: Maria Rita Liporoni Toledo

Há setenta anos, em uma fazenda de terras fecundas, afagadas levemente pelo Rio Grande, nasceu este homem, manso e risonho, que gostava de contar causos, até com certa insistência, de longa duração, cujo desfecho se caracterizava pelo insólito, pelo exagero das ações, pela incredulidade do conteúdo. Quando as caçadas eram livres, matara onças com estilingue, jacarés com canivetes, gaviões com chumbinho, pegara bois pelos chifres. Vangloriava-se de sua mira certeira que abatia as maiores perdizes. Suas vacas se excediam na produção de leite, o capim braquiária cobria seu gado. Em suas plantações, as raízes das mandiocas atravessavam quintais, as melancias necessitavam de dois homens para carregá-las e as abóboras, então, só nas carretas dos tratores. Não havia maldade em suas histórias, gostava de enriquecê-las com detalhes, encenando-as e gesticulando com seus braços rijos. Para todos tinha explicações minuciosas e pitorescas. Podia entreter uma plateia por horas a fio. As pessoas o acompanhavam com sofreguidão, dando mais colorido a sua fala. Por trás desta contundente retórica, existia um homem bom que conquistou o coração de uma jovem tímida e sonhadora. Ela o acompanhou a vida toda, com paciência e muita dedicação. Filho de coronel, herdou um bom pedaço de terra e uma educação esmerada. Quando jovem fora estudar em colégio interno, mantido por religiosos, em cidade próxima, onde refinou seu estilo que já era naturalmente elegante, sóbrio e fino. Cumprimentava as pessoas com uma voz branda, olhando em seus olhos e segurando suas mãos com atenção. Perguntava pelos familiares, idosos, crianças e, sempre, tinha uma palavra delicada para cada um. Era a gentileza em pessoa.

Mudou-se para a cidade, deixou o campo, mas o campo não o deixou. Tinha o coração lá na sua terra, nas suas músicas, nos seus costumes. Vez ou outra retornava para lá e foi numa dessas vezes, que se sentindo mal, tombou desfalecido, sem vida, como a dizer que era lá que queria ficar, para sempre.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras