Evocações

Por: Eny Miranda

218925

No último sábado, 27 de julho, lendo neste espaço literário o texto da amiga Sonia Machiavelli, fui surpreendida pela memória involuntária, que me remeteu ao dia de minha chegada a esta cidade, também num julho de frio intenso. Referindo-se a imagens postadas no Facebook por internautas do grupo “Apaixonados por Franca” (uma delas, motivo de capa do tabloide), Sonia dizia: “Rafael Lourenço de Camargo e Carlos Pereira uniram-se no registro matinal de diversos espaços francanos envoltos por chuva fina, neblina espessa e graus em descenso”. À leitura dessa frase, dois sentidos da palavra tempo foram em mim evocados, simultaneamente, em movimento e condições espaciais e emocionais.

Naquele dia de julho, o meu primeiro na cidade, senti que ambos, o tempo weather e o tempo time, me ligariam indelevelmente a esta Franca dos sete véus. A beleza de sua dança, coreografada sob nuvens (foi assim que me recebeu, ocultando-se e exibindo-se entre camadas vaporosas; diluindo-se e adensando-se, encobrindo-se e desnudando-se, como a me convidar para contato mais íntimo), despertou em mim o desejo de conhecê-la sem reservas, aberta em luz e cores e contornos. Naquele dia, soube que minhas raízes se fixariam aqui, neste local onde os julhos (quiçá também os junhos, como sabê-lo senão provando, experimentando, ano após ano, seus sumos e sabores e perfumes?) respiram ares europeus (ou ares serranos, como os da Mantiqueira, em um Brasil hibernal): frios e aconchegantes, que nos despertam para o calor de ternos abraços; incógnitos e provocantes, que nos envolvem em movimentos de amor e dança; velados e insinuantes, que nos mergulham na sensualidade dos sete véus e na fluida versatilidade da palavra “tempo”, assim definida por Machado de Assis, em Esaú e Jacó: “o tempo é um tecido invisível em que se pode bordar tudo, uma flor, um pássaro, uma dama, um castelo, um túmulo”.

Por enquanto, tento bordar no meu tempo francano flores, pássaros, castelos... E viver essas bordaduras “em contínua vertigem apaixonada”, capturando momentos de pura poesia nos espaços “envoltos por chuva fina, neblina espessa e graus em descenso”, e nos ipês, sibipirunas, quaresmeiras, acácias... em floração aberta ao azul e à luz -”registros [...] estéticos, líricos ou apenas curiosos” que vou deixando (egoisticamente, bem sei) na memória da alma, a serem um dia evocados, quem sabe, por uma cor, um odor, uma névoa, ou uma boa escrita, porque, sim, amiga, “O que somos sem nossas lembranças, reminiscências, saudades, nostalgias?”

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras