Santo

Por: Ronaldo Silva

Quando criança eu desejava ser santo.
Quanta coisa eu desejava quando menino!
Agora adulto, estou farto de não Ser,
enquanto desejo Ter.

Ser santo, sob a minha ótica pueril,
era ser muito nobre
Era fabuloso mesmo, sonhar sê-lo.
Ainda que mutilasse a carne.
E ainda que eu nem desconfiasse
das implicações desse título católico.

Naquele tempo eu apenas via
o santo de barro frio.
Ainda não sabia que correra sangue
por suas veias santas.

Hoje sei, duramente,
que Santo não nasce santo.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras