O filho do Papa

Por: Paulo Rubens Gimenes

Em meados da década de 1970, meu tio José Lambert foi ordenado bispo de Itapeva e a tia Lourdes, minha madrinha e sua irmã, fora junto com sua família morar com ele uns tempos.

Vida nova e amigos novos, meus primos para melhor se “enturmarem” sempre se apresentavam como sobrinhos do bispo. Naqueles tempos, sobretudo em cidades pequenas, o bispo, ao lado do prefeito e do gerente do Banco do Brasil, era a autoridade mais respeitada pelos cidadãos.

“Sou sobrinho do bispo” passou a ser a senha fartamente usada por meus primos para serem bem recebidos em todos os lugares de Itapeva, uma verdadeira “carteirada eclesiástica” que abria várias portas.

Nas férias, retornavam à Franca e se hospedavam em minha casa. Sete crianças da casa, três crianças visitantes mais outros agregados e a farra estava garantida.

Naquele tempo as casas em construção eram o “forte apache” em que passávamos fins-de semana num “bang-bang” sem fim. Desnecessário lembrar que os pedreiros que chegavam pra trabalhar na segunda e encontravam tudo bagunçado não eram muito solidários com nossa diversão; pelo contrário, odiavam nossas aventuras de faroeste em seu local de trabalho.

Cansado de encontrar aquela bagunça toda segunda-feira, um dos pedreiros resolveu visitar a obra no domingo e encontrou todos os bagunceiros, mocinhos e bandidos, em plena ação. Parou na porta de saída e disse:

- Ah molecada, agora vou prender vocês todos!

Feito índios fugindo da cavalaria, a molecada debandou-se rapidamente pulando muros por todos os lados. Aleixinho, nosso primo que tinha vindo de Itapeva, não teve o mesmo expediente, ficou paralisado de medo frente ao grande inimigo. Tentou usar a “carteirada eclesiástica”, mas por causa do nervoso, inverteu as bolas e disparou:

- Não faz nada comigo não moço. Eu sou filho do Papa!

Momentos depois, sentado na calçada em frente minha casa ouvindo a história do primo, fiquei imaginando a cara de surpreso do pedreiro ao conhecer um filho de figura tão ilustre. Coitado do Papa Paulo VI...

Paulo Rubens Gimenes,
Publicitário e ex-conselheiro do Comércio da Franca

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras