Eu e você

Por: Lydia Rodrigues

Nossos nomes não foram gravados em árvores, paredes ou cadernos
só no vento, no fogo, nas flores...
em tudo que era efêmero
E nós, como ficamos?
Como ficam todas as coisas terminadas
cada um com seu lume no canto da sala
Até que um sopro rápido e gelado
quebre o diálogo hesitante
findando tudo num só instante

Foi o destino que puxou o fio fundamental
da nossa história
Era tão bela, uma costura meticulosa
com suas tramas ordenadas
foi então desfeita sem demora
a obra unida e harmoniosa

Agora o que resta
é pegar um fio do emaranhado
e cada um sem pressa
recomeçar o seu bordado

Lydia Rodrigues, estudante de jornalismo da Unesp

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras