Sabiá

Por: Karina Gera

Eu sei que as folhas caem para que novas folhagens possam crescer. Difícil é aceitar as podas inconsequentes. Quando a árvore está florida, linda, o sabiá não para de cantar, ele parece feliz e demonstra isso através da sua sinfonia. Sem árvore, sem galhos, sem folhas, ele não canta mais. Ou, pelo menos, não o ouvimos mais no lugar onde costumava fazê-lo. O reconhecimento do canto naquele canto: cadê?
 
Karina Gera, publicitária

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras