A mala

Por: Josiana Borges

Chega sempre aquele momento difícil: pegar a mala em cima do guarda-roupa e me preparar para a carinha triste dele. Se existe a expressão pejorativa da palavra mala, ela foi baseada na tristeza de um cachorro ao visualizá-la. Só pode ser.
 
Quem dera ele fosse capaz de falar, pois com certeza diria: “Mamãe, aonde você vai? Irá me deixar de novo”? E eu poderia explicar que não, que seriam apenas alguns dias e que quando ele menos percebesse eu estaria de volta.
 
Acontece que meu cachorro não fala. Não com palavras. Portanto fica difícil lhe explicar o quanto me dói fazer as malas vendo a sua tristeza aumentar a cada peça de roupa que coloco dentro dela. Ele sabe que é sinal de partida. E na cabecinha dele penso que sejam momentos eternos, pelo olhar que me lança do começo ao fim da arrumação.
 
Ele nem protesta, tamanha é a tristeza. Vez ou outra quando (penso eu) o desespero de não querer que eu me vá se torna incontrolável, ele tenta subir no meu colo, mesmo que eu esteja em pé, pegando coisas aqui e ali, como quem diz “não se esqueça de me pegar também”! Logo ele desiste e volta somente a me olhar, frustrado e mais triste ainda.
 
Chega a hora. Fecho a mala. A campainha toca e eu vou, tentando não olhar pra trás, pois aprendi que a despedida deve ser assim: como seu eu fosse apenas colocar o lixo na rua e voltar segundos depois. Dizem os especialistas que se prolongarmos a despedida o bichinho sofre mais (e nós humanos também, por que não?). E eu vou embora.
 
E depois de alguns dias, o regresso. Ah, que felicidade é abrir a porta e chamar seu nome. Logo ouço aquelas patinhas espertas correrem corredor afora e ele pula desesperado de alegria em cima de mim! E nesse momento, o que nos importa os dias separados? E que nos importa a distância, a tristeza, a saudade agora que estamos juntos de novo? Somente a mala, aquela bandida, não será vista com bons olhos. Ele sabe que é sempre ela que nos separa...
 
Ele não gosta dela. Acho que nunca vai gostar. E pra ser sincera, nem eu! 
 
Josiana Borges, leitora

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras