Mosca varejeira

Por: Júlia Moscardini

Estou bêbado
 
Bêbado de bebida mesmo
 
Tudo faz sentido
 
Nada é de verdade
 
Varejeirando sábados
 
Como se tudo fosse acontecer
 
E no final é tudo igual
 
A zunir o mais alto que podem
 
Na tentativa desastrada
 
De entorpecer todo ar
 
Se por a não mais se indispor
 
Sem conseguir raciocinar
 
E gargalhar bolhas de álcool
 
Para voltar mais uma vez
 
A vomitar domingos e segundas.
 
 
Julia Moscardini, Mestre em Estudos Literários        

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras