Destrato

Por: Débora Menegoti

Só sei amar feito homem. Sou livre para resignar também. E vejo que a liberdade não tem nada a ver com teu lance de que também é enfrentar consequências, escolher dar valor a quem merece, dedicar. Pois sei amar feito homem. E você não merece outro. 
 
Vou regar teu ceticismo até ficar surda para acreditar ser impossível estender a vida dos passarinhos caídos do ninho.
 
Se me ajoelho, a fé virá; se me entrego,se escolho já estou quase lá. Corpo e alma. Bobagem!
 
Prefiro Candy Crush; Dota e sei driblar.
 
Pondero no respeito, para te dar razão, você tem que me sacar, não leio seus e-mails, não atendo celular, mais tarde nos falamos, mude a cor do seu cabelo. Por que tão sóbria? Por que tão madura, se no fundo conheço tua insegurança, tua loucura?
 
Azul, não mando flores; já coloquei pra gelar e gelou tudo, o peito e ao redor. Não bebo contigo, nem no teu copo, mas quero teu colo e não me encoste durante a noite. Ronque bem, pequena. 
 
Débora  Menegoti, leitora

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras