A Dios

Por: Janaina Leão

Olho-te assim indo embora, 
 
mala na mão, descalça 
 
com os saltos fincados no coração.
 
Partiu sem repartir um sofrimento
 
 que é teu, é meu,
 
assim como  cachorro e  gato,
 
 as plantas e os discos.
 
Como partir isso? 
 
Há um estrago necessário, é isso né?!
 
Repartir a cama a mesa 
 
e os planos - pernas entrelaçadas.
 
Só nós vimos aquele disco voador não é?
 
Tem coisas que só nós saberemos,
 
 é fruto da nossa unção
 
da nossa troca de fluidos, rugidos
 
juntos ocupando o mesmo lugar no espaço.
 
Por muitas vezes contrariamos
 
 leis da física, movidos pelo desejo
 
que hoje partiu junto com o carteiro,
 
 o endereço e o sobrenome,junto com as fotos,
 
 e aquelas coisinhas que você me dava:
 
concha, papel de bala, fósforo queimado,
 
 flor carnívora, raquete, mata – mosca, máscara.
 
Mais  aquela coisa 
 
de que  ainda não entendi a serventia:
 
era redonda, dourada e tinha a inscrição: TQM
 
 gravada por dentro
 
Você botou no meu dedo.
 
E partiu.
 
 
Janaína Leão, psicóloga

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras