Velhos amigos

Por: Chiachiri Filho

O problema do velho não é somente o fato dele ser velho. O problema do velho é que todos os seus amigos também são velhos.  
 
Dias desses, recebi a visita de um velho e bom amigo. Uma dessas visitas agradáveis, sempre esperadas e sempre bem-vindas. Conversamos por  mais de duas horas sobre variados assuntos. Falamos sobre os antigos carnavais, sobre as músicas que os animavam e sobre os bailes nos salões dos clubes que varavam a madrugada. Discutimos sobre a política interna e a externa, sobre  o conflito na Ucrânia, a provável nova guerra da Criméia, os black blocs, a guerra civil na Síria, a queda nas Bolsas de Valores, a estranha revolta brasileira sobre a Copa do Mundo etc. Entre um café e um pão de queijo,  falamos sobre os nossos filhos, os nossos netos, o custo de vida, a minguada aposentadoria, a falta de chuva, o perigo do racionamento de água e energia elétrica.  Trocamos algumas impressões sobre as próximas eleições presidenciais  e concordamos com o perigo de nossa cidade ficar sem representação na Câmara Federal. Conversamos ainda sobre o açúcar no sangue, a pressão alta, a taxa de ácido úrico, as dores lombares, os  no
vos remédios, os médicos da moda.  
 
Após uma breve pausa em nossas conversas, percebi que o meu velho e bom amigo não estava tão animado, como sempre esteve. Nem mesmo a sua tradicional teimosia fez-se sentir em nossos diálogos. Perguntei-lhe, então:
 
_O que há com você?  Parece-me que está um pouco desanimado.
 
_Não, não estou cansado e nem desanimado. Eu estou com 80 anos.
 
_Oitenta anos?! Completinhos?!
 
_Sim, completinhos e bem vividos.
 
Confesso, prezado leitor, que até eu fiquei assustado com a idade do meu amigo. Na convivência diária a gente não percebe que o tempo passa muito depressa e que os nossos amigos envelhecem. Para estimulá-lo, eu disfarcei o meu espanto e disse-lhe com muita sinceridade:
 
_Mas, você não parece que tem 80 anos. Você está  muito bem conservado. Garanto que, se eu enxergasse, não lhe daria mais do que 75.
 
E assim terminou a visita do meu velho e bom amigo, a qual espero receber de novo,  ao menos pelos próximos 20 anos. 
 
 
Chiachiri Filho, historiador, criador, diretor por oito anos do Arquivo Municipal e membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras