Escher em Ribeirão Preto

Por: Sônia Machiavelli

Há acasos que nos descortinam novas maneiras de ver. Foi o que aconteceu comigo ao aceitar convite da colunista Patrícia para visitar, junto com outras 14 mulheres, o Shopping Iguatemi de Ribeirão Preto, na terça-feira, 25. A Experiência Escher, de repente no meio do caminho, me fez resgatar  uma reflexão: a arte movimenta nosso espírito, nos transporta a outras dimensões, é chuva na aridez em que às vezes se transforma o mundo. 
 
Ribeirão Preto foi contemplada  com esta mostra que vem percorrendo algumas  capitais brasileiras. O curador Pieter Jabbes trouxe  ao nosso país parte do precioso acervo do artista holandês que renovou a gravura com temas onde à imaginação lúdica somou estética matemática. Eleita pela revista The Art Newspaper “a exposição mais visitada no mundo em 2011”, é  convite para que tentemos nos despir de preconceitos, julgamentos de valor e certezas atávicas antes de olharmos para  gravuras como Relatividade, Cascata, Belvedere, Céu e Água, Autorretrato em esfera espelhada e Metamorfose. Há outras, e também instalações. 
 
Em Relatividade (1953), pessoas não conseguem andar, sentar ou ficar em pé no mesmo piso, pois sua concepção de horizontal e vertical não se conjuga, porém podem usar a mesma escada; e se mudamos nosso ângulo de visão, as posições se invertem: quem está correto? Aliás, existe um conceito de ‘correto’? Belvedere (1958) mostra uma escada de mão colocada de maneira impossível, apoiada ao mesmo tempo no interior e na fachada externa de um sobrado,  mas  só nos damos conta disso depois de minutos de atenta observação. Cascata (1961) faz correr  água de baixo para cima e em ziguezague - será isso mesmo? Autorretrato em esfera espelhada (1935)  quer nos dizer que o sujeito é fatalmente o foco de seu próprio mundo? Céu e água (1938) seria  uma cena do Gênesis, com peixes ascendendo do fundo negro da água em direção ao céu todo branco, onde então o que se observa são pássaros? E o que dizer de Metamorfose (1940), painel onde o artista começa brincando com o vocábulo  que dá título à obra e com ele avança, transformando-o em quadrados que viram répteis que viram folhas e estas losangos e estes colmeia, depois abelhas, então flores e peixes e pássaros e cubos e casa e cidade e jogo de xadrez e parede quadriculada e de novo a palavra metamorfose? Uma linda narrativa sobre o movimento incessante da vida. Eu ficaria horas diante desta litografia.
 
Escher, realista, meticuloso, obcecado pela geometria e as repetições infinitas, tem um estilo preciso, detalhado, que não faz concessão ao leve, vaporoso, suave, delicado. Suas técnicas de trabalho limitam frequentemente o uso da cor, mas a maestria no desenho, na perspectiva, nos contrastes e nas formas é impositiva: ele descreve as estruturas, se apropria delas e as transforma. Fascinado pela simetria, ordem, perspectiva, e pelos motivos inspirados em mosaicos árabes, Escher se afastou dos contemporâneos, que preferiam uma arte menos cerebral e mais caótica, e tornou singularíssima a sua obra onde os traços parecem algumas vezes marcados a régua e compasso. 
 
Apaixonado pela absoluta perfeição dos conceitos matemáticos, aos poucos ele se convence de que não possuem equivalentes na realidade, pois a natureza do universo nos escapa.  Mas ‘se não pode descrever nossa realidade, o artista  inventa a sua’, escreveu um crítico.  Cria um  universo feito de ilusões e povoado por criaturas imaginárias, surrealistas. Seus Répteis geométricos exibem largas passadas, escalam o infinito e transitam de uma a outra dimensão sem qualquer dificuldade. Neste desenho dos mais conhecidos do artista, retoma-se a ideia do  Ruban de Möebius-  uma fita inconsútil,  um círculo perpétuo. O  eterno recomeço é tema onipresente na obra de Escher. 
 
Olhando-o à distância, insatisfeito com as limitações da folha plana, o artista parece deslocar para seus “espaços impossíveis”, uma frase de Colette (1873-1954), romancista francesa que influenciou os de sua geração: “Tudo está em mudar.” Para fixar o improvável, cunhou o aforismo que o define: “Desenhar é enganar”. De fato, ele brinca com nossos sentidos, ao mesmo tempo em que parece nos dizer em off que há necessidade de um esforço mental para  rechaçar o olhar imediatista, já habituado ao óbvio, engessado pelo hábito,  incapaz de procurar diferentes ângulos na tentativa de se aproximar da realidade- esta que está sempre nos escapando. Escher instiga o olhar do espectador para leituras que vão muito além do estímulo que sua obra oferece. 
 
A exposição permanece aberta até o dia 17.  É extraordinária oportunidade para sentir de perto o quanto  nos acrescentamos quando nos permitimos sair da acomodação.
 
 
ARTISTA GRÁFICO
 
Maurits Cornelis Escher.   
 
Nasceu na Holanda, em 1898 e é considerado um dos mais importantes artistas gráficos modernos. Também trabalhou com tapeçaria, murais, selos postais e  ilustração de livros. Morreu em 1972. Filho de engenheiro,  manifestou desde criança gosto pelo desenho. Matriculado na escola de Arquitetura e Artes Decorativas de Haarlem,  tornou-se  aluno de Samuel  Jerussum de Mesquita,  célebre  professor português que lhe ensinou técnicas de desenho e despertou seu gosto pela gravura.  Ao terminar os estudos, decidiu  viajar para conhecer o mundo. Começou pela Espanha. Depois foi à Itália e se fixou em Roma, onde se dedicou ao trabalho gráfico. Mas a ascensão do fascismo o levou a sair do país.  Mudou-se para a Suíça e depois para a Bélgica. Em 1941 voltou à sua terra natal.  De todos os lugares novos que conheceu, conferiu maior importância à Espanha, pois foi ao visitar o Castelo de Alhambra, em Granada, que teve um insight para seus trabalhos futuros. Ali conheceu a arte muçulmana nos azulejos e esta descoberta despertou  seu  profundo interesse  pela divisão regular do plano em figuras geométricas que se transfiguram,  repetem e refletem nas pavimentações. Ao preencher as superfícies, o artista holandês substituiria as figuras geométricas por outras existentes na natureza, como pássaros, peixes, répteis, flores  e pessoas (o que é vedado na arte islâmica) - mas sempre estilizadas. A obra deixada por Escher encontra-se  exposta em três museus de seu país. No total são  448 litografias, xilogravuras e gravuras em madeira, além de mais de 2000 desenhos e esboços. No trabalho deste artista, percebem-se a importância da matemática e da arquitetura; a minuciosa observação do mundo; expressões da sua fantasia; e ainda um olhar curioso que tenta apreender a realidade fascinante. Por tantas qualidades, continua a surpreender milhões de pessoas ao redor do mundo. Como Michelangelo, Da Vinci, Dürer e Holbein, era canhoto. (SM)
 
Exposição
 
Nome: Experiência Escher
local:  Iguatemi - Ribeirão Preto
Data: Até 17 de abril
Horários:  Seg a sexta 12 às 20h; 
sáb, 12 às 22h; dom e ter, 12 as 20h
 
 
Sonia Machiavelli,  professora, jornalista, escritora

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras