Teias e fios

Por: Eny Miranda

Fios de silêncio tecem a teia da noite Restos de risos boiam em esquecidas taças de champanha Poetas recolhem derradeiras gotas de lua
 
Nos esquivos cálices do verbo
 
As horas adormecem Chamados do Tempo se perdem entre vento e espuma
 
Pálpebras escondem pupilas obsoletas A vigília atravessa o grande portal do arcano
 
E se perde no mistério dos indizíveis
 
O sono caminha sem ponteiros sobre trilhas movediças
 
 Sonhos buscam imagens perdidas em mil retinas anímicas A vida equilibra agora seu curso entre criptas e abismos. Um só fio marca o caminho de saída deste mortal labirinto: Rítmico, recebe, mede e escoa o tempo; Paradoxal, canta possibilidades de retornos e de permanências.
 
“Por um momento, o universo, a vida 
podem ser apenas este pequeno som
enigmático”.
 
Posso senti-lo no vulnerável pulso do corpo
 
E ouvi-lo na mudez poderosa da noite.
 
 
Eny Miranda, médica, poeta e cronista
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras