Proteção

Por: Inerita Alcantara

Olho-a nos olhos chorosos e, súbita curiosidade, ou simplesmente para distraí-la,  pergunto-lhe:
 
- Que foi que te atraiu nele?
 
Pensa um segundo e, em seguida, afirma como que fazendo uma constatação:
 
- Foi a proteção. - Ilumina-se,   instantaneamente, a face dolorida de luto.
 
- Proteção?! 
 
- É... Ele era meu professor, lembra? –  Os olhos  sorriram. --  Um dia  ele me ofereceu para me ajudar,  aí ele ia lá em casa me dar aulas...   eu não prestava atenção nada, ficava só olhando aqueles braços fortes...
 
Imperceptível quase o sorriso maroto. Mais rápido do que eu gostaria, seu   semblante   mergulha outra vez  em penumbra,  olhar fixo em um ponto perdido.
 
Perdi-me também, lembrando-me dela em cena recente:  olheiras profundas, procurando  melhor posição para a cabeça dele nos travesseiros, checando fraldas  geriátricas,   horários de remédios... De  vez em quando passava levemente pequena toalha branca na testa suada do marido, gesto que mais parecia desesperado carinho.
 
Silenciei-me. Não haveria  ela de perceber  minha comoção! Engulo uma incerteza: quem protege quem? 
 
 
Inerita Alcântara, professora

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras