Neymar

Por: Lia Beraldo

E agora, Neymar?
O jogo acabou,
a bola saiu,
o povo vaiou,
a noite esfriou,
e agora, Neymar?
e agora, Você?
Você que é sem nome,
que torce pros outros,
Você que faz ola,
que chora, grita?
e agora, Neymar?
 
Está sem saúde,
está sem educação,
está sem consolo,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o hexa não veio,
o trem rápido não veio,
o hospital não veio,
não veio a infra-estrutura
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, Neymar?
 
E agora, Neymar?
seu toque de bola,
seu instante de glória,
sua raça e talento,
seu chute de canhota,
seu lençol ousado,
sua camisa amarela,
sua imprevisão,
sua lesão, - e agora?
 
Com a bola no pé
quer fazer o gol,
não existe rede;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Santos,
Santos não há mais.
Neymar, e agora?
 
Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse,
o hino brasileiro,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, Neymar!
Sozinho no escuro
qual tatu-bola,
sem isonomia,
sem protesto na rua
para te movimentar,
sem caminhão de bombeiros
que corteje o time,
você marcha, Neymar!
Neymar, para onde?
 
 
Lia Beraldo, Mestre em Química pela Unicamp
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras