Só as estrelas escutam

Por: Luiz Cruz de Oliveira

O canário nasce já coberto por leve penugem que logo vira protetoras penas. Devidamente abrigado, irradia gorjeios, faz o sol sorrir e as folhas dançarem. Uma vez por ano se fecha em férias. A sua voz adormece, as suas  penas começam a cair. Em seu corpo, então, impera aqui e ali a antiga penugem. 
 
Tudo, porém, obedece às leis de um ciclo breve. Logo as penas retornam e, proteção renascida, o canário canta e devolve o sorriso ao rosto do sol e imprime novos movimentos aos galhos e folhas.
 
A sina do poeta é outra. Ele nasce desprotegido – sem penugem. Chega  acompanhado de penas outras – uma infinidade delas entupindo todos os espaços de seu coração.
 
Ao poeta não foram concedidos estágios de repouso.
 
Na madrugada, as estrelas silentes testemunham-lhe a dor de arrancar penas do peito. Cada uma delas, transmudada em gota, vai regando os versos que brotam. 
 
Poeta e pássaro – cantores tão iguais, cantos tão distintos!
 
 
Luiz Cruz de Oliveira, professor, escritor, membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras