Retalhos

Por: Ronaldo Silva

Rasguei minh’alma
Em centenas de pedaços
E lancei-os ao vento.
 
Alguns pairaram no ar
quais satélites etéreos,
e de lá enviaram-me
versos fantásticos.
 
Outros tantos retalhos,
pousando na terra foram pisados,
germinando ramos espinhosos
que me ferem as solas dos pés.
 
O sangue de tais chagas
tem sido a tinta densa
de poemas pungentes.
 
É meu modo de estar no mundo,
meu jeito de cantar e rezar o mundo,
de chorar e rir com o homem
e justificar, assim, minha existência.
 
 
Ronaldo Silva, vendedor,  universitário

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras