Dor em dobro

Por: Jhon Maoli

Vejo  Ele passar, rodar, voltar, novamente te quero e não posso, te pego e não te relo, me bate, o marasmo chega e fica, não sai, e Ele não vem, quase sinto seu cheiro, não sei que cheiro Ele tem, ando e volto, Ele não chega! Padeço sozinho com Ele na mente, triste fico quando vou, penso em voltar chamar e agarrar, espremer até a última gota de desejo quando fica somente a vontade de ter de novo, mas não posso!  Ele foge, grito, esperneio e faço birra, querer-te me dói, e suplico pra ter Ele.Não tenho, não toco, sinto, sinto muito por não sentir Ele,sinto por não te sentir! Revogo cada vez que não te quis! De nada tem efeito!Já está dito, tudo que foi dito e não foi ouvido, corro, disparo em direção oposta de onde queria estar, chego e choro... Não quero correr, não preciso,Ele corre de mim..  Não posso mais te ver, a vergonha se tornou um muro grande demais pra se pular, mas corro. Cansado paro, sento e penso, cada centímetro que separa Ele de mim é grande, e pequenas são as possibilidades. Olho no buraco que há em meu coração, apenas um buraquinho imaginário em um órgão real, vital, a saudade vaza, escorre e cai sobre meus pés cansados e machucados de correr, a saudade se torna vermelha quando encontra o sangue que também escorre das muitas feridas, chagas ,que estão abertas.  O que antes você habitava,agora Ele preenche, agora o vazio preenche, o vazio precisa de um lugar , o vazio ocupa espaço, o vazio existe e me definha! Vou sumindo, até quase não ser mais coisa nenhuma , eu sou o nada! Semelhante ao que existe entre eu e Ele... nada, eu nado, mergulho e não volto, o vazio é grande, quase tão grande como a necessidade que tenho dele, eu sumi, me diminui tanto que posso estar aqui e Ele nem notar! Já não notava, mesmo quando olhava Ele rodar, mesmo quando corria, mesmo quando você corria, me escondia atrás de qualquer coisa que me satisfazia, eu me engano, minto e desminto, a verdade tá aí, brinco com ela, eu a dobro e amasso, corto e não colo, não tem como consertar , já está suja de sangue, apago as vontades , apago as luzes , e pago o preço ...
 
 
Jhon Maoli, ator
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras