Toques de celular

Por: Marcos Cason

O sujeito sabia tudo de aparelhos celulares. Saía um novo modelo, ele adquiria antes de todos. Era o consultor dos amigos. Ninguém se atrevia a comprar um novo aparelho sem consultá-lo.
 
Era sabido que o sujeito tinha em seu celular toques para todas as chamadas. Na verdade, não eram toques ou ringtones como são conhecidos. Eram pequenos trechos de musicas conhecidas. E de vários gêneros. Antes mesmo de olhar para a tela do aparelho, já sabia quem o acionava. 
 
E como eram os toques de celular do sujeito sabichão?
 
Quando era a mulher que ligava, era este o toque: “Se te agarro com outra te mato, te mando algumas flores e depois escapo.” Na voz de Sidney Magal.
 
Se fosse a mãe: “No dia que sai de casa, minha mãe me disse, filho vem cá.” Cantada pela dupla Zezé Di Camargo e Luciano.
 
Chamada do pai: “Pai, você foi meu herói, meu bandido, hoje é mais muito mais que um amigo.” Embalada por Fábio Jr.
 
A sogra querida: “Sequestraram minha sogra, bem feito pro sequestrador, ao invés de pagar o resgate, foi ele quem me pagou.” Com Bezerra da Silva.
 
Danou-se, o gerente do banco: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí.” Bela marchinha de carnaval.
 
Tinha até para o mecânico: “Fuscão preto, você está um bagaço e o valor do conserto foi pro espaço, você não vai conseguir pagar.” Adaptada e gravada por ele mesmo.
 
Seu melhor amigo: “Amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração.” Na voz serena de Milton Nascimento.
 
E se fosse uma ligação desconhecida: “Quem é que não sofre por alguém, quem é que não chora uma lágrima sentida.” Interpretada por Agnaldo Timóteo.
 
Caramba, tinha até para a amante: “Já tive mulheres de todas as cores, de varias idades, de muitos amores.” Ele mesmo, Martinho da Vila.
 
Finalmente a secretária de seu médico. Sim, sim, aquele. O urologista: “Ele voltou, o boêmio voltou novamente, partiu daqui tão contente, por que razão quer voltar.” Vozeirão de Nelson Gonçalves.
 
 
Marcos Cason, leitor
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras