O sábio e o bronco

Por: Luiz Cruz de Oliveira

É muito raro que isso ocorra. Mas, quando também o sono me abandona, concentro-me, ouço atentamente o silêncio.
 
Os ponderados me ensinaram sempre que ele é sábio.
 
Sua voz me é acalanto e me acalenta. O sono retorna sempre, no entanto. 
 
E, quando o sol despeja luz em todas as direções, ando pelas ruas, tropeçando em conflitos mínimos, convencido de que pouco restou das lições que povoaram minha madrugada.
 
 
Luiz Cruz de Oliveira, professor, escritor, membro da Academia Francana de Letras
 
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras