A morte da barata brasileira

Por: Ronaldo Silva

Morreu!
Entre o tapete encardido
e a chinela havaiana
a barata teve seu termo.
 
Humilhada
em sua esperteza.
Esmagada em sua leveza.
Abaratamorreu!
 
Todo o país
parou para ver
esmagado
seu corpo delgado.
 
Um tapete indigno
retalho aproveitado
de velha toalha de banho,
foi seu derradeiro pouso
e o palco de sua tragédia.
 
A barata morreu, imaginem!,
como qualquer brasileiro.
 
Finou-se sem direito
sequer a um último pedido.
 
Esmagada
Atropelada
Pelada
 
Pertinho da geladeira,
A um passo da comida.
Morreu!
Como qualquer brasileiro pobre.
 
Pobre
Barata
Brasileira!
 
 
Ronaldo Silva, vendedor,  universitário

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras