Considerações sobre o flato

Por: Chiachiri Filho

O flato é,  inegavelmente, um fato. Um fato rotineiro, corriqueiro, banal. Um fato irreprimível, incontrolável e extremamente necessário.  Quando ele vem, não há como segurá-lo para  livrar-se dele no momento oportuno e lugares próprios.  A sua contenção provoca dores abdominais, distúrbios digestivos, dores de cabeça, mau humor.  
 
Apesar de ser um fato comum a todos, o flato emitido é sempre um flato negado. “Não fui eu” – diz sempre e peremptoriamente o emissor.  O flato é como o ronco: todos negam a sua autoria.
 
Pela primeira vez eu ouvi, numa propaganda de televisão, um flato explícito, sonoro e sem vergonha. Tratava-se da campanha publicitária de uma rede de postos de gasolina em que um bebê ( masculino ) solta um pum e é logo repreendido pelo bebê feminino. A propaganda é engraçadíssima e serve para mostrar a generalidade, a necessidade e a liberalidade de um flato. Dos bebês aos velhinhos , o flato é uma realidade incontestável. 
 
Apesar  dessa realidade, o flato continua sendo considerado inoportuno e objeto das mais severas censuras. As mulheres, principalmente as mulheres, repreendem-no  e sufocam-no com toda a força de sua natureza. Depois; depois ficam sofrendo de prisão de ventre. 
 
Décadas atrás, estando eu num Congresso de Estudos Históricos em Lorena, fomos terminar a noite num barzinho espetacular da cidade. Nele serviam variados petiscos  acompanhados de infindáveis batidas e caipirinhas da melhor qualidade. No fim da festa, fomos levar duas estudantes de História da PUC de Campinas  até o seu alojamento. Eram duas moças lindas, muito bem vestidas ( como era normal na época ) e perfumadas. Ao entrarem no carro, uma delas soltou um pum monumental. Por alguns segundos, ficamos paralisados. Posteriormente, começamos a rir desbragadamente.  No dia seguinte, ao irmos buscá-las para uma nova sessão do Congresso, elas tinham sumido e até hoje delas não tivemos nenhuma  mínima notícia sequer.  
 
O homem é um bicho mais esculachado e infenso a certas regras de comportamento social. Um grande amigo meu, após uma churrascada e cervejada, deitou-se numa rede para descansar. Em baixo da rede ciscava , calmamente, uma galinha com seus filhotes. Pois bem! Antes que entrasse num profundo cochilo, o meu amigo foi despertado por um estrondo e pelo  escândalo da galinha que abria as asas para proteger os seus pintainhos.Assustado, o odor que o envolvia levou logo o meu amigo a perceber o que havia ocorrido.
 
Para terminar, não custa lembrarmos aquela velha piada em que o noivo conversava seriamente com o sogro em torno de uma mesa.  Junto à cadeira do noivo, estava deitado um cachorro que era cutucado pelo rapaz toda vez que este soltava  um pum  silencioso que somente era percebido pelo mau cheiro exalado. Soltava e dizia:
 
- Sai, cachorro! 
 
Irritado com a atitude  hipócrita do noivo, o futuro sogro desabafou: 
 
- Sai,  cachorro! Sai  depressa se não ele te caga em cima!
 
 
Chiachiri Filho, historiador, criador, diretor por oito anos do Arquivo Municipal e membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras