Cigano

Por: Luiz Cruz de Oliveira

Na esquina, a cigana interrompe meu andar e meu devaneio. Deseja revelar-me meu futuro. Agradeço e dispenso a boa intenção.
 
Atravesso a rua, atravesso a praça em meio a pessoas e pombos.
 
Cigano, caminho distâncias, sem paradas longas. E cada passo é lápis, desenhando meu amanhã - belo, ou não, segundo reparto meu riso e meu pão. 
 
 
Luiz Cruz de Oliveira, professor, escritor, membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras