Homem de bem

Por: Luiz Cruz de Oliveira

O menino de onze anos espera, espera, e consegue se aproximar do homem forte, grande.
 
- A mãe mandou eu aqui...,carece do senhor ir lá em casa pra ver ela. Ela mandou eu porque o pai tá na roça, só vem sábado. 
 
O homem especula em vão.
 
- Só sei que vomita toda hora... sem parar.
 
- Você veio de carro?
 
- Não, senhor. Vim correndo.
 
O homem coça cabeça, pergunta o endereço, escreve.
 
- Fala que eu vou logo.
 
Um tempão depois para um carro de aluguel na porta da casa. O homem desce, entra na casa. Sentado na beirada da cama, examina a mulher, fala, fala. Na mesa da sala, escreve receita. Lá do quarto, a doente insiste:
 
- Sábado Vadico vem, paga o senhor.
 
Anos depois, o menino - homem - sonha com aquele homem grande e forte. O sonho acorda memórias, e as lembranças acordam gratidão imensa.
 
Deitado, fecho os olhos e, no escuro, leio no passado que o médico Cirilo Barcelos foi sempre um homem de bem.
 
 
Luiz Cruz de Oliveira, professor, escritor, membro da Academia Francana de Letras
 
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras