Amendoim sem Jubileu

Por: Chiachiri Filho

Na Portaria  do Paraíso, um velho de  aspecto majestoso, de vestes bíblicas e auréola de santo, mastigava prazerosamente uma amêndoa dos trópicos e entregava uns saquinhos para todos aqueles que passavam pela porta.Um dos primeiros a recebê-lo foi o Serjão, o Sérgio Menezes que já conhecia e apreciava a iguaria. Portanto, sentiu-se em casa.
 
Era amendoim, amendoim torradinho, salgadinho e de sabor insuperável. Era o amendoim do Jubileu que  já fazia sucesso nas esferas celestes.
 
Consta que, ao apresentar-se perante São Pedro, Jubileu foi inquirido sobre seu nome, sua profissão, seus feitos aqui na Terra. Jubileu, simplesmente, entregou ao Patriarca um saquinho de amendoim. São Pedro, satisfeito, não teve dúvidas e ordenou:
 
- Pode entrar, Jubileu. Pode entrar com o seu jaleco branco e o seu tabuleiro e distribuir esta castanha para todos. 
 
Certa feita, quiseram proibir o Jubileu de vender  o seu amendoim no Teatro Municipal. Diziam que os saquinhos sujavam o ambiente. Fui contra, peremptoriamente contra, e me justifiquei:
 
- Não se elimina uma tradição por causa de alguns saquinhos de papel. 
 
A proibição foi revogada e o Jubileu continuou vendendo o seu amendoim no teatro, nos estádios e em todos os demais eventos que atraíam a sua atenção e interesse.
 
O amendoim do Jubileu não era um amendoim qualquer. Era inigualável. O sabor, o ponto de torra e de sal eram os mesmos em todos os grãos do saquinho. Ele trabalhava com arte e esmero na confecção de seu produto. 
 
Jubileu partiu. O sol de sua vida não marcará mais as horas nos relógios de mármore.  Talvez alguém  prossiga na fabricação do famoso amendoim torradinho e salgadinho. Contudo sempre faltará alguém de jaleco branco e tabuleiro preso no pescoço distribuindo o amendoim.  Faltará Jubileu com seu entusiasmo, sua dedicação, seu otimismo, cuidadoso e honesto em  sua crença no trabalho.
 
 
Chiachiri Filho, historiador, criador, diretor por oito anos do Arquivo Municipal e membro da Academia Francana de Letras
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras