Chega!

Por: Mirto Felipim

não venho mais em busca de guerras
na vivência de tantas batalhas trago
o desejado sono dos constantes
a urgência da paz mesmo na derrota
 
não ocuparei mais subterrâneos palanques
e não servirei plateias estéreis
contarei apenas com o risco do cotidiano
e o cúmplice silêncio de uma possibilidade
 
não invadirei mesas condenadas
nem picharei leis impossíveis
serei a delicada concordância dos opostos
sem a incondicional necessidade da vitória
 
não mais impedirei ataques
e sequer proporei armistícios
estarei à disposição de qualquer solução
sem cavar trincheiras oportunistas
 
não detonarei sequer uma provocação
nem mesmo defenderei derrotados
estarei apenas à disposição da sabedoria
sem perseguir verdade alguma
 
mais não venho em busca de guerras
trago apenas uma vida a ser sonhada
o terno desejo de braços possíveis
a necessidade sana de não ter aliados
 
 
Mirto Felipim, poeta, observador, escritor.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras