No fundo do poço

Por: Chiachiri Filho

Ao que parece, chegamos ao fundo do poço. Pior ainda: o fundo do poço está seco. Não há água. As torneiras expelem ar. As gargantas estão secas. Os corpos fedem. O lixo acumula-se. O povo desespera-se. Todo mundo quer água, mais água. E a água não vem e a sede aumenta. Um ator paulistano, interpretando Shakespeare, grita num palco, ao invés de “meu reino por um cavalo”:
 
 
— Água, mais água. Meu reino por um caminhão pipa!
 
Ainda bem que esta falta d’água danada é lá em São Paulo, na capital mais famosa, mais populosa e mais rica do país. Aqui em Franca a realidade é outra. Sentimo-nos como peixinhos no aquário. Afinal, aqui nós temos o Rui e o Rui, previdente, já foi buscar as águas do Sapucaí. Por conseguinte, o Rui, que é Kaluz, aqui em Franca dá água. E assim,  a SABESP continua com o seu mais elevado conceito e credibilidade. Mas, na capital e adjacências, a SABESP está também no fundo do poço, junto com o “Gerardão da Cantareira”.
 
Se, por um lado, a falta d’água é para nós, francanos de nascimento ou de coração, uma longínqua ameaça, do “apagão” não escaparemos. Do “apaguinho” já estamos acostumados. Porém, o apagão virá com certeza.  O apagão é federal e, por ser federal, atingirá  todos os Estados federados e seus cidadãos. Um mal geral é sempre  federal enquanto que um mal  estadual é mais circunscrito. Porém, todos esses males vêm de Minas ( será uma vingança do Aécio? ). Não chove em Minas. As represas estão vazias. Cadê o mar de Minas? Adamastor bebeu?
 
O fato, prezado leitor, é que “estamos no sal”. Enquanto isto, eles estão tirando barris e mais barris do pré-sal. Porém, não são barris  de água. São de óleo. E isso adianta alguma coisa? Eles precisam é tirar-nos do sal, do fundo do poço, das trevas. 
 
O nosso fardo não é “levy”. É pesado e bem pesado principalmente agora que um tal de Joaquim quer consertar os erros da Dilma às custas do povo brasileiro. 
 
É , prezado leitor, estamos mesmo no fundo do poço. Mas, para falar a verdade, será que algum dia chegamos  a sair dele?
 
 
Chiachiri Filho, historiador, criador, diretor por oito anos do Arquivo Municipal e membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras