Entrelinhas

Por: Ronaldo Silva

Em todas as palavras
Há um silêncio
Um não-lido,
Um não-escrito
 
Um não-gritado
Que aos poucos
A poesia extravasa
Em forma melódica
Às vezes tórrida.
 
Em todo gesto
Há um não-demonstrado
Um “tente adivinhar!”
Um “decifra-me ou te ignoro”
 
A beleza de certas coisas
Nasce do não dito
Do não expresso,
Que parece feio ou grosseiro.
 
Aí é que entra a poesia
Cantando o que nunca se diz
Melodiando  o que jamais se explica
Revirando as vísceras das entrelinhas.
 
É isso o que me faz
Amar a poesia.
É isso o que me motiva
A não desistir dela:
Gritar as entrelinhas.
 
Ronaldo Silva, vendedor,  universitário

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras