Cianogenesis

Por: Eny Miranda

Chama-se Luíza,
E sua alma é azul.
Essa alma, que a envolve
E a sustenta,
É lago-céu-transparência.
Nela pousada, Luíza é flor.
 
Lírio desprendido do caule?
Pétala de magnólia?
Rosa inteirinha,
Saída de algum poema,
De algum Motivo, de Cecília?
 
Quem teria tal ciência?
As raízes mais profundas
De uma árvore-origem?
As células mais recentes
De um DNA luizagênico?
 
Corpo-flor em líquido blue! 
(Bluealmágua!)
Mas não incapaz de vaporizar,
Eterfazer-se
Em metamorfose
De sonho, de poesia...
- Aéreas delicadezas.
 
Mas Luíza deu-se à artemática
Das formas - retilíneas, curvilíneas... -
Plantadas no chão e subintes ao espaço 
(O que também é poesia).
Deu-se à arte arquitetônica:
Construir sonhos concretos,
Artesanar matéria sólida.
 
E à paisagística:
Modelar espaços livres.
A de iluminar frios recônditos
Não aconteceu por acaso:
Luíza me lembra luz, claridade, 
Esclarecência.
 
E é assim que dociliza, suaviza,
Azula, aclara, doura... 
A, tantas vezes, aguda, 
Árdua, esconsa, crua 
Arquitetura da vida. 
 
 
Eny Miranda, médica, poeta e cronista
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras