A revolta dos indignados

Por: Chiachiri Filho

Que bom! Que bom que o povo brasileiro não perdeu a sua capacidade de se indignar. Indignação pelos desmandos, pelos descaminhos, pela corrupção, pela ineficiência do poder público, pelo desprezo, pela negligência e pelo deboche para com as carências e os anseios de uma coletividade. Que bom que o povo saiu às ruas para se manifestar, para protestar, para gritar contra uma classe política que envergonha a Nação. Uma classe política sem nenhum compromisso com o povo, sem nenhuma preocupação com os doentes nos hospitais, as vítimas de criminosos nas ruas de nossas cidades, sem nenhuma atenção para com o trabalhador que vive  jogado nos ônibus urbanos em busca de um salário miserável, sem cuidados com os estudantes que saem de nossas escolas sem saber e sem ter o que fazer.
 
Eu já andava desanimado. Pensava que a nossa gente tinha perdido a coragem de se indignar. Tinha  aceito a tese do “rouba, mas faz” (ou finge que faz ). Tinha virado um bando de carneirinhos que aceitava  tudo, que votava em qualquer malandro ou bandido, que caminhava mansamente para a faca do algoz.
 
Enganei-me? Parece-me que sim. O povo foi às ruas para dizer “chega, basta, não dá mais”. Foi às ruas para repudiar, para rejeitar, para assustar os governantes deste país que governam com base nos acordos espúrios, na enganação, na trapaça, na chantagem, no suborno e com  o objetivo único  de satisfazer seus interesses escusos em detrimento das esperanças e aspirações de toda uma coletividade.
 
Não, não dá mais para enganar! Não dá mais para fazer do povo uma massa de manobra.  A revolta não é só contra uma Presidenta, não é só contra um Senador, um Deputado, um Partido. A revolta dos indignados é contra todos aqueles que fazem da política uma carreira vergonhosa, um meio de vida ilícito e imoral A revolta é contra a classe política distanciada de seu povo e que usa o seu mandato para corromper, para locupletar-se e para utilizar-se  da sagrada delegação que o povo lhe conferiu como uma moeda de troca no balcão das negociatas congressuais e políticas.
 
Que bom,  esperançoso leitor! Que bom ver o povo nas ruas reclamando os seus direitos, exigindo sua cidadania. Que os políticos se arrependam e ouçam o grito  dos indignados pois está chegando a hora da verdade e da cobrança.
 
 
Chiachiri Filho, historiador, criador, diretor por oito anos do Arquivo Municipal e membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras