A ira do magistrado

Por: Chiachiri Filho

O Tribunal do Júri sempre despertou a atenção e o interesse da população. Para os espectadores, o Júri se apresenta como um grande espetáculo teatral capaz de eletrizar a plateia.
 
Pois bem, prezado leitor! Dentre as histórias que se contam sobre os Tribunais do Júri, há uma muito interessante e sutil. O Tribunal foi formado para julgar um réu  acusado de assassinato. O crime, dadas  as circunstâncias,  havia chocado uma pequena cidade do interior. Depois da acusação do Promotor Público, começou a falar o advogado de defesa, recém-formado, sem muita experiência mas, reconhecidamente, homem culto e habilidoso.
 
O advogado iniciou assim a sua defesa:
 
- Excelentíssimo Sr. Dr. A de P e S., Meritíssimo Juiz da Comarca de..., pessoa a qual reverencio pela sua cultura, saber e dignidade...
 
E o advogado continuou:
 
-Excelentíssimo Sr. Dr. A de P. e S., Meritíssimo Juiz da Comarca de..., pessoa a qual reverencio  pela cultura, saber e dignidade...” 
 
E o advogado prosseguiu:
 
- Excelentíssimo Sr. Dr. A de P e S., Meritíssimo Juiz da Comarca de ..., pessoa a qual reverencio pela cultura, saber e dignidade...” 
 
E por mais vezes o advogado repetiu esse seu preâmbulo e só parou quando o Juiz, muito irado, repreendeu-o severamente:
 
- O Sr. pensa estar onde? Numa feira livre, num parque de diversões, num picadeiro de circo? O Sr. está  presente num Tribunal e, por isso mesmo, deve agir com seriedade e respeito. Portanto, Sr. Advogado, saia desse seu preâmbulo monótono e passe a defender o seu cliente.
 
A censura do Juiz deu a base para a defesa que o advogado pretendia fazer. E foi assim que ele a apresentou:
 
- Senhores jurados: o Excelentíssimo Sr. Juiz exaspera-se com a minha saudação inicial a ele dirigida com todo respeito e solenidade. Pois bem, senhores jurados! Eu estou aqui para defender um homem simples, ignorante e até meio abobalhado que desferiu uma facada  certeira numa vítima que durante anos e anos chamava-o, em alto e bom som, de Burrico da Cidona. Se o ilustre e civilizado Juiz irritou-se com a monotonia de minha respeitosa saudação, imaginem os senhores a revolta de meu constituinte com o apelido detestado e mil vezes repetido.
 
Segundo afirmam, o “Burrico da Cidona” foi inocentado.
 
 
Chiachiri Filho, historiador, criador, diretor por oito anos do Arquivo Municipal e membro da Academia Francana de Letras
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras