Já chegou?

Por: Paulo Rubens Gimenes

Lá pelo final dos anos 1960, Dito Cara-Suja com seu potente Fordão fazia frete  para toda a região. Tecidos, implementos agrícolas, botinas, temperos industrializados e todo o tipo de produto compunham sua carga. 
 
Sempre que preciso, Dito levava seu fiel ajudante  Tobe do Gole, cujo apelido denunciava seu passatempo predileto – encher a cara de cachaça.
 
Carroceria cheia, ainda de madrugada, Dito Cara- Suja saiu de Franca rumo a São Sebastião do Paraíso para fazer mais uma de suas entregas. Como a carga era grande e o serviço pesado tratou de passar na casa do Tobe para que ele o auxiliasse.
 
Mas, quem disse que o ajudante estava em casa? Conhecendo bem seu parceiro passou lá no Boteco do Lalá e, claro, encontrou Tobe do Gole  completamente bêbado; sem outra opção jogou o bebum na carroceria do Fordão torcendo para  que até a chegada ao destino o porre tivesse passado.
 
Lá pelos lados de Itirapuã, o frio da madrugada começou a incomodar Tobe que, em meio às mercadorias foi procurar abrigo. E não é que entre os produtos da carga havia um caixão todo chique destinado pro defunto de um poderoso político falecido na vizinha cidade?
 
Lugar quentinho, todo almofadado por dentro... Tobe não teve dúvidas, entrou no caixão, fechou a porta  e caiu no sono.
 
Passando por São Thomaz de Aquino, Dito Cara-Suja avista um mineirinho sentado sobre os calcanhares, fumando cigarrinho de palha e pedindo carona.
 
– Se acomoda lá na carroceria, amigo! 
 
Dito disse ao mineirinho(sem desligar o caminhão) que, ligeiro, subiu no Fordão num só pulo.
 
Dia clareando e o mineirinho, mirando as mercadorias, pousou seu olhar desconfiado sobre o caixão. Medroso, benzeu-se com as “cruzes  do Nome do Pai e das Ave Maria” e tentou pensar em outra coisa pra se acalmar.
 
Foi quando o Fordão passou sobre um buraco. O grande solavanco acordou Tobe que, abrindo a porta do caixão gritou:
 
– Já chegamos no Paraíso?
 
Dizem que o mineirinho tá correndo até hoje...
 
 
Paulo Rubens Gimenes, Publicitário e ex-conselheiro do Comércio da Franca
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras