Bilhete

Por: Luiz Cruz de Oliveira

Era o ano de 2002. Acontecia, no Franca Shoping, a primeira Feira do Escritor Francano.
 
Meus olhos passeavam pelas capas e pelos títulos das obras expostas em prateleiras de metal, quando um homem de meia idade se dirigiu a mim. Confirmou minha identidade e asseverou-me que, embora morando longe, lia meus textos, já que parentes próximos dele moravam em Franca, ele aqui vinha com assiduidade. Na conversa rápida, lembro-me de que disse trabalhar na Justiça, em Poços de Caldas (juiz ou promotor público, não me lembro).
 
Nunca me esqueci foi das suas palavras de despedida:
 
- Sua obra-prima é Bilhetes.
 
Por timidez talvez, talvez pelo imprevisto da opinião franca, o certo é que deixei que o homem se fosse sem que eu anotasse seu nome e endereço.
 
Hoje, tantos anos depois, espero  que aquele leitor ainda leia a imprensa francana, que a ele chegue o bilhete que através destas páginas lhe encaminho:
 
Caro leitor,
 
Contate-me. 
 
Quero presenteá-lo
 
com minha última produção literária.               
 
Ela é parenta próxima de Bilhetes.
 
Ainda hoje, tão distante do menino, continuo acreditando em Papai Noel. Por isso, planto aqui, nesta seara, uma esperança sadia.
 
É apenas uma semente. Mas acalento a certeza de que um passarinho a penderá no bico e a levará até os sítios daquele meu leitor.
 
 
Luiz Cruz de Oliveira, professor, escritor, autor de 23 livros
 
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras