Sonetinho de chegada

Por: Eny Miranda

De repente, a imagem se faz matéria:
Relevos, texturas, cheiros, sons...
Vêm nos ares, nas asas, 
No ventre de aeronaves.
 
 
Choros e risos se abrem e se fecham
(Risos, ah, estes, muito mais!!)
Braços se estendem e circundam, cercam:
Conchas contentes de amor.
 
 
Da tristeza faz-se o riso aberto e branco.
De repente, da saudade e do pranto, 
Faz-se cheiro de encanto e de flor.
 
 
Toques de lábios, laços de coração,
Coisas tangíveis e sensíveis
Às palmas da alma e da mão.
 
 
Eny Miranda, médica, poeta e cronista
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras