Urgência

Por: Ronaldo Silva

O tempo é agora.
A hora é já!
O fazer não espera.
O realizar urge.
 
Porque o ontem
desvaneceu em meio
a uma poeira fina e débil.
E o amanhã é só um espectro.
 
Portanto, não espere.
Não adie o amor, o perdão,
o carinho, o aperto de mão.
Não negue, não se negue hoje.
 
Basta um infarto,
uma derrapagem na estrada,
um aneurisma ou
um avião que some do radar.
 
E o calendário de amanhã
será marcado pelas lágrimas
dos que nos amaram
e não puderam dizer.
 
Basta um bandido desalmado,
um ataque cardíaco,
um cachorro raivoso
ou um engasgo estúpido.
 
Você e eu não teremos mais
a chance de significar um para o outro.
Passaremos sem saber
o que teria sido, como teria sido.
 
A vida é ávida
a respiração pede sustos.
Os olhos mais felizes
são os que choraram emoções vividas.
 
As memórias só são memórias
para quem não protelou,
para quem entendeu cada segundo de vida
como um instante irrepetível e inalienável.
 
O tempo não perdoa
quem nada faz dele.
 
 
Ronaldo Silva, vendedor,  universitário

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras