Epifania

Por: Mateus Brentini

A neve da montanha rapidamente derretia quando chegava o nosso tão amado verão. Criava consigo um pequeno rio de água fria, que ainda assim aquecia meu coração. 
 
Com sua beleza única e cristalina, deixava todo o ambiente à sua volta mais ‘iluminado’, o que certamente fascinava e relaxava até aqueles que o viam com a alma em revolta. 
 
Estava sentado ao lado dele e minha flauta tocando. Os animais estavam em alvoroço pela doce música ecoando entre as árvores.
 
Foi quando vi, lá no cume da montanha, uma luz reluzindo e me chamando: era benigna, misteriosa e emanava ocultos poderes. Logo atiçou minha curiosidade de bom desbravador, fazendo-me começar a seguir ao seu encontro com agilidade, ainda que o caminho fosse complicado e amedrontador.
 
Não demorei muito para chegar com facilidade ao local, ali me deparei com enigmática ruína ancestral. Em seu centro, um livro brilhante e dourado. Era de fato algo magistral.
 
Agora, e eu? 
 
Nunca estive tão maravilhado...
 
 
Mateus Brentini, aluno do Pestalozzi e Ave,Palavra!
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras