Sem nome

Por: Fátima Cassis

Arfava sob trama apertada de pensamentos circulares. Mas um dia, sem saber por que e como, percebeu que um nó afrouxava e pequena fresta de luz e ar puro inundava seus pensamentos. Olhou mais atentamente ao redor. E longe, ar embaçado a turvar visão, vislumbrou brinquedos na mesma disposição que os colocara um dia, ainda menina. Fora chamada às pressas à vida adulta. Estaria ainda viva?
 
 
Fátima Cassis, médica e psicanalista

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras