Amor-de-moça

Por: Luiz Cruz de Oliveira

Na sombra do castelo, construí um cercadinho, utilizando gravetos, restos de armaduras, pedaços de lanças e de espadas.

As ferramentas foram as mãos rudes. Com elas, extirpei plantas daninhas; com elas, revolvi a terra vezes sem conta. Antes da semeadura, reguei o canteiro com expectativas verdes e espalhei por todo ele o adubo da candura e do afeto.

Quando a terra e o coração estavam prontos, mergulhei a semente, que explodiu vermelha, transpirando ânsias de céu. O cuidado regou o broto por dias e noites e semanas e meses, até modelar árvore enfeitada de branco e raízes que se aprofundavam no solo.

Colhi uma rosa, escalei a muralha, depositei meu presente na janela da dama de honra da princesa, mas ela ignorou a oferenda. Com repelão limpou o peitoril, e a rosa inconveniente saltou sem paraquedas, espatifando-se nas pedras.

Afastei-me então do cercadinho e do castelo. Fui longe. E, lá no prado, colhi a flor mais singela que existe: o amor-de-moça.

Voltei à amurada do castelo e uma noite inteira eu gastei para escalar a muralha, até alcançar os aposentos da princesa. No peitoril da sua janela depositei minha flor do campo e meu coração de jardineiro.

Quando nela se ouviram pancadas – era o sol –, e ela foi aberta para que o visitante entrasse, a princesa arregalou os olhos e reconheceu meu presente. Como se manuseasse cristais, mãos de anjo seguraram a haste e mãos de anjo viraram concha a proteger a pérola.

Então, a princesa beijou a minha flor, o seu amor-de-moça. E, como se abrisse gaiola, distendeu o côncavo e assoprou.

O ar quente despetalou o amor-de-moça.

Partículas de flor começaram a dançar nas alturas, fazendo com que nuvens de afeto se precipitassem. Começou a chover uma chuva de ternura sobre as árvores, sobre a plebe e sobre os seres.

Aí, o passarinho que dormia em mim acordou.

E cantou-me um hino à manhã. 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras