Carta destinada ao remetente

Por: Isabel Fogaça

311924

Esta é a semana do meu aniversário e como faço todos os anos, gosto de fechar para balanço, hoje resolvi fazer melhor, escrevi uma carta da Isabel de 24 para a Isabel de 15 anos, na tentativa de evoluir e acalmar meu coração para o que está por vir.

“Cara Isabel.
Sei que o mundo parece pesado demais quando se tem apenas 15 anos. Porém, peço que tenha demasiada paciência com seus pais, que preze seu irmão, e que destine suas energias ao cuidado da família. Com o coração apertado digo que sua tia Mônica alçará vôo da Terra para ir morar com as estrelas quando você completar 16 anos. Este vai ser um dos acontecimentos mais tristes da sua vida, porém, é com ele que você crescerá absurdamente, e dentro de sua essência ficarão cravados traços substanciais da personalidade dela, e esta influência trará muito mais perfume à sua existência.
 
Por isso, não questione Deus, ou o universo, apenas aceite o que a vida lhe oferecerá, como se fosse uma nuvem branca de passagem, aprendendo com toda a natureza, e com as pessoas ao seu redor. Apenas junte as mãos ao centro do peito e seja grata por conhecer a chuva, os girassóis e as hortaliças, agradeça por ter o poder das palavras e por ela diminuir a distância entre as pessoas ao seu redor, então, escolha as melhores e as mais sinceras sempre para o bem.
 
Aos 18 anos você fará grandes amigos na escola e aos 19 você entrará num curso de Publicidade e Propaganda. Como é de se imaginar, você ficará tão tímida entre alunos de cabelos verdes e comunicativos em excesso que vai sair com o rabo entre as pernas e vai se dedicar a algo que esteja mais voltado à luta social. Tenho que dizer que o maior de todos os combates será contra você mesma, pois irá morar numa cidade que fica a doze horas da sua com pessoas que nunca viu na vida. Cursará história e vai ser a melhor escolha que você fará até os 24 anos.
 
Quando completar 22 anos, sua bisavó querida e seu tio Marcelo irão partir também, este será o ano mais difícil de todos, sei que parecerá impossível levantar da cama, se alimentar, e procurar sentido, mas mais uma vez, por mais árduo que seja, levante e agradeça por ter sido neta e sobrinha. Você lidará bem com a saudade, vai trabalhar muito em bares e restaurantes, e esse dinheiro vai te ajudar a entrar no mestrado, do modo que sempre quis.
 
No entanto, os 24 anos ainda são uma página em branco para mim. Peço que torça por nós e encontre sentido em tudo que viveu até então. Por favor, não deixe de escrever, de amar as pessoas com quem pode aprender. Não deixe de ler Neruda,  não deixe de crescer com as decepções, não amargue toda sua vida quando estiver com o peito ferido, apenas respire, agradeça e aceite ser uma nuvem branca de passagem por esta vastidão.” 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras