No meu quarto idealizado

Por: Angela Gasparetto

311926

No meu quarto idealizado há uma janela voltada para o nascer do sol. O silêncio permeia o ambiente.

Cortinas de voil brancas  balançam ao sabor do vento. Há também uma pequena estante branca à Provence, como manda o estilo atual, mas noutros tempos era bem outro modelo, em imbuia. Nesta estante, estão os livros da vida inteira. Livros que não podem faltar à minha leitura eterna, Machado de Assis, Marcel Proust, Cervantes, Veríssimo, Margareth Mitchell, Graciliano Ramos, Rubem Braga, e principalmente Fernando Sabino. 
 
No meu quarto de sonhos, há uma escrivaninha que namora o jardim lá fora. 
 
Sobre ela, há um notebook da era digital, mas antes, tinha mesmo uma Olivetti verde, com teclas macias e nem precisava ter o apagador automático não, novidade que chegou somente no final da década de 80.
 
Tem que ter neste quarto idealizado, uma poltrona vermelha. Outra cor agora não serve mais. 
Servia antes, um modelo clássico todo bege,  voltado ao estilo escritor de sucesso que almejei. Mas agora tem que ser vermelho sangue. Mesmo porque escritora de sucesso nunca fui e “mais vale um gosto do que um tostão no bolso”, como dizia já aquele velho ditado.
 
A cama é macia, colcha branca, tapete bege mesmo e almofadas vermelhas. 
 
Porque o toque vermelho tem  um quê de transgressor e nesta altura da vida não posso prescindir desta inofensiva rebeldia.
 
Na lateral deste quarto, tem uma porta com ferragens brancas que abre para o jardim, ali tem uma área térrea, onde posso sentar e ler os meus livros favoritos. Mas lá também eu posso escrever se quiser. Podia antes mesmo na Olivetti verde.
 
Nas paredes desse quarto idealizado, acima da cama, há uma grande gravura de Paris, com a torre Eifell ao fundo. Aliás, se você olhar para todos os lados da minha vida tem alguma coisa que remete a Paris.  Também porque “ Paris é uma festa”, como aquele livro do Hemingway e “...nós sempre teremos Paris”, como já disseram...   Mesmo que eu continue adiando e não vá lá por alguns anos, como eu sempre digo ...
 
Aliás, se procurar, tem até uma Torre Eiffel em miniatura no banheiro ao lado. Porque se é preciso sonhar, os sonhos podem te acompanhar enquanto se toma banho, ou se escovam  os dentes,  sem problema algum. 
 
Principalmente, neste meu quarto idealizado de uma vida, tudo tem que ter o toque da beleza, da perfeição e do sonho, pois ele reflete um ideal de ambiente.
 
Já os sonhos são perfeitos. E enquanto não se concretizam, este quarto idealizado vai sendo decorado décadas após décadas no meu imaginário. Atualmente estou bem perto de concretizá-lo. 
 
Mas os livros já estão guardados esperando. Sempre estão em qualquer casa ou quarto que eu esteja. Eles são atemporais, estão sempre na moda e prescindem de quarto idealizados.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras