nasci poeta

Por: Luiz Cruz de Oliveira

314994

Nasci poeta.

Deveria, portanto, manuseando frases e versos, tecer estradas, pavimentadas todas por camadas de serenidade. Deveria, portanto, plantar caminhos planos por sobre precipícios e por entre dunas e árvores, por entre florestas, por sobre serras e por sobre despenhadeiros. Deveria, portanto, criar alamedas ensombradas por folhagens de carvalhos, coloridas por sucessão de ramagens de ipês roxos e amarelos e brancos.
 
Nasci poeta.
 
Acontece que o menino que era em mim caiu apedrejado pelo estilingue da incompreensão e do desamor. O menino se desfez, e não mais caminhos, e não mais lápis de cor... Adeus, beleza.
O menino se esvaiu, restou no peito apenas o prosador – juntando rudes palavras, bárbaras prosas apenas. O menino se foi. Restaram ferramentas nas mãos disformes, os pés descalços. Com elas, venho recolhendo pedras e pedregulhos. Depois, com mente e corpo desajeitados, vou levantando calvários.
 
Persisto.
 
Rastejando que seja, ainda atravessarei o vale.
 
Tenho fé nisso. Tenho fé em que ainda me recostarei na linha do horizonte. Lá longe, lá no alto. Um dia, a brisa soprará sonhos na minha face outra vez. 
 
Creio.
 
Nessa hora, meus olhos farão uma prece.
 
E, quem sabe, uma criança ressuscite.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras