ponto

Por: Luiz Cruz de Oliveira

319983

Quando eu não mais cantar um tango, apenas cinco ou seis pessoas (por demais próximas, sensíveis por demais) ouvirão os acordes do bandoneon esquecido entre pó e trastes lá no quartinho, no fundo do quintal.

Quando eu não mais fizer das linhas e das entrelinhas do papel cordas de harpa, apenas cinco ou seis pessoas enxergarão a ausência definitiva de tinta, a aposentadoria compulsória da caneta.
 
Quando minha rebeldia e meu grito restarem brisa passeando pelo pomar, sussurrando suavidades por entre as folhas, lá na copa da lembranceira, apenas cinco ou seis pessoas se sentarão à sombra da árvore, à espera da florada.
 
Quando a polpa de meus dedos não mais viajar, explorando reentrâncias e protuberâncias, eriçando pelos, acordando pele, parecerá que desamei. E apenas minha mão estará adormecida, meu corpo quieto, pleno de tanto amor ter dado.
 
Quando chegar o momento de tudo recomeçar, lá, bem lá no ponto final do ilusório, por um momento estará mais triste o triste cantar dos canarinhos do reino. Os pássaros imprimirão tonalidade outra, mas a canção nova será percebida por apenas cinco, seis pessoas.
Que o mundo surdo e cego não sabe que os canários são.
 
Que o mundo não ouve a canção que insiste.
 
O mundo não sabe que dói o silêncio do tango, o silêncio do canarinho.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras