Lulu

Por: Angela Gasparetto

319984

Quando ela se foi, tudo ficou vazio.

Ela tinha o jeito particular de se fazer necessária e próxima aos demais.
 
Todo mundo a consultava. Problemas financeiros, no casamento, no trabalho, no futuro.
 
Ela tinha a palavra sensata da família. Outro dia uma amiga chegou em casa e do nada começou a chorar e neste choro disse que falta fazia a sua presença, porque só ela saberia o que dizer naquele momento particular da sua vida.
 
É Lulu, você faz falta. Uma falta danada. Temos que aprender a olhar e conduzir a vida por nós mesmos. E olhe que antes eu até achava que conduzia bem a minha...
 
Lulu e seus sorrisos secretos. Seu modo de se olhar no espelho, no meu espelho quando se vestia para ir à igreja. 
 
Dava uma viradinha se avaliando, sorria faceira e dizia: ”Tô bonita”?  Antes de eu responder, fazia um movimento seguro, como quem diz, estou e nem precisa responder.  Eu lendo, deitada na cama, olhava para ela e ria dizendo: “Mas como é convencida esta minha mãe”!
 
Lulu e suas sopas deliciosas. Lulu e seu cafezinho. Lulu e suas respostas;  como quando queria dizer que ninguém fazia nada melhor que ela, a gente chegava e  perguntava: “quem fez isto? Um doce, ou um bolo, etc.,  e ela sorrindo faceira: “Ora, como que eu chamo??? Isto queria dizer: “Fui eu claro, quem mais seria?”
 
A gente ria. Ríamos com a certeza da sua eternidade. 
 
Ela deixou muitas lembranças para nós. Aliás, todas. Para mim deixou seu amor incondicional.
Suas panelas que me comprou de presente porque queria me casar de qualquer jeito (risos)...
 
Hoje durmo nos lençóis que também comprou para mim, para este fim...!!!
 
Do nada, olhava para mim e dizia: “Porque um dia, filha, eu vou embora!” E eu achando que era ela apenas se fazendo faceira, contestava. “Como, Lulu? Se você é eterna!” 
 
Lulu, você continua eterna!  Você vive em mim e eu em você. BJ onde estiver!
 
                                                                    (sua filha)

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras