Escolha de vida

Por: Maria Rita Liporoni Toledo

319986

  Casou-se para se desvencilhar da opressão paterna. Era muito comum, na década de trinta, a imposição dos pais às filhas, cerceadas em sua liberdade, proibidas em seus anseios, enquanto os filhos podiam estudar, trabalhar e cultivar hábitos juvenis.Com ela não foi diferente, frequentou o curso primário e só, as lides da casa a exigiam. Arguta e inteligente lia romances, na surdina, e povoou sua mente com sonhos e artimanhas. O marido era calmo, concordado e laborioso. Tiveram filhos, mas não era feliz como desejava. O casamento lhe parecia entediante. Em meio a esta rotina, surpreenderam-se com uma doença que o fragilizou e o levou ao leito.

Estando ele impedido de protagonizar o papel de marido, ela assumiu todas as obrigações da família e o fez com mérito e evidente responsabilidade. No entanto, lamuriava, diuturnamente, a sua sina. Libertou-se dos grilhões de seu pai e agora estava presa ao destino do marido. Sua juventude e exuberância passariam sem que ela vivesse sua plenitude. Inconformada, sucumbiu à insistência de cortejadores. Há muito era cobiçada por homens insinuantes e experientes, ávidos por conquistas para nutrir seus corpos e almas de orgulho e vaidades masculinas. Enquanto o marido esteve vivo foi discreta e sutil o suficiente para não descuidar dos tratos de que necessitava.

Ele morreu amparado por ela que se manteve firme e atuante enquanto durou sua agonia. A viúva, depois dos trâmites legais, ganhou novos ares, nova disposição, novo figurino, priorizando calças compridas, inusitadas para a época e, sentindo-se livre, de fato, do pai e do casamento, direcionou sua vida como quis. A hipocrisia não lhe era peculiar e, segura de si, não escondia de ninguém, nem de seus próprios filhos, seus relacionamentos amorosos. Deixava fluir sua vida como sempre quis. Foi feliz, era querida e glamorizada pelos amigos e conhecidos. Fazia prolongadas viagens para estações termais e para a capital, onde era assídua frequentadora de teatros e espetáculos musicais. Teve vitalidade até os oitenta anos. Defendeu com tenacidade a proposição de desejar para si a vida que queria e não a que era imposta pela sociedade.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras