Colo

Por: Luiz Cruz de Oliveira

325699

Eu quase nunca tinha sono.

Segurava as mãos da mulher e amanheceres coloridos me mantinham desperto. 
Eu quase nunca cruzava regiões enevoadas.
 
Os meus olhos embevecidos demoravam-se nos olhos da mulher. Então o sol, multiplicado, inundava todos os meus quereres. Soprava imperativos, e a neblina se dissipava de todos os caminhos.
 
Eu nunca era apresentado ao desânimo. 
 
Não o conhecia e sequer desconfiava da existência de seus filhos, de parentes seus em segundo, ou em terceiro graus. A mulher ia a meu lado, e sua presença garoava certezas na minha rua, na cidade inteira. 
 
Um dia, meus olhos marejados não viram. Meu ouvido estarrecido e minha boca muda não entenderam. Todos os sentidos não entenderam. Suas mil razões e outras razões mil resultaram razão nenhuma na matemática do meu espírito.
 
A mulher levou em conta apenas as suas contas.
 
E se foi.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras