Ausências

Por: Luiz Cruz de Oliveira

331640

O silêncio me acordou perto de três horas. E foi imperativo:

- Ouça.
 
Obediente, ouvi ausências tantas: a do irritante alarme do carro ou da loja; a do ronco do motor da motocicleta ou do ônibus; a da sirene preocupante da ambulância rasgando a madrugada e as ruas; a do latido rouco do cachorro querendo proteger o barraco, os trastes do seu dono.
Obediente, ouvi com nitidez a música de cada ausência.
 
Ouvi os passos firmes de minha mãe, percorrendo o quarto de paredes tão próximas, trazendo sua mão até minha testa, medindo:
 
- A febre está passando.
 
Passou a moléstia, passaram as feridas, fecharam-se as cicatrizes - também tantas.
 
Quando o sol preencheu todas as frestas e inundou o quarto, voltei a ouvir a música de todos os dias. A música da vida.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras