mar inútil

Por: Luiz Cruz de Oliveira

335473

Chorei um mar de lágrimas.

Ainda estou aqui. Sentado estou no mesmo rochedo, cercado pelo mesmo escuro, debaixo da mesma solidão que se desmancha em negro e me molha corpo e alma.
 
Chorei um mar de lágrimas. 
 
Sentado aqui, neste mesmo rochedo, eu ouvia o som da água caindo na água lá embaixo. Ouvi durante horas aquela música sem melodia alguma que escorria e escorria, até que a fonte secou no meio da vegetação, murcha há tempos.
 
Chorei um mar de lágrimas. 
 
Abraçado a este mesmo escuro, sentia o sal que se ia solidificando no caminho das faces, que cavava a água lá embaixo, que nela se afundava. Depois de horas, bruscamente foi interrompida a queda de sal no oceano.
 
Chorei um mar de lágrimas.
 
E tudo foi inútil.
 
O mar que despejei no oceano não elevou o nível das águas. O sal que transbordou do peito ao mar não aumentou a sua salinidade.
 
Chorei um mar de lágrimas. 
 
E as estrelas permanecem mudas e insensíveis. Só os bichinhos miúdos ciciam e ciciam no escuro, em redor desta rocha calada, testemunha de afeto e de dor.
 
Chorei um mar de lágrimas. 
 
E, sobre mim, a solidão brinca de se desmanchar e de se refazer, sempre vestida de negro.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras