Das coisas de dezembro

Por: Angela Gasparetto

339810

Lá fora os pingos grossos começam a recrudescer na calçada; um vento morno chega pelas fretas da janela..

Das coisas de dezembro o meu coração sempre reconhece.
O cheiro característico da terra molhada no verão, do asfalto brilhante e da grama verde dos caminhos nos campos.

Das coisas de dezembro, sempre fico ouvindo o barulho da chuva na janela e a tranquilidade do quarto à meia luz.

Esta aura de coisas finalizadas, de tempo de recomeços, de gentilezas trabalhadas, destas coisas de dezembro.

Caminhamos todos para finalizar e recomeçar em dezembro.

Das coisas de dezembro que marcam profundo o nosso coração.

De repente, chove e faz sol, frio ou calor, e fico observando esta brisa de primavera e de fim de ano, de tempo parado de todo dezembro.

Das coisas de dezembro, vêm as lembranças de festas outras e de planejamentos lúdicos.

Das coisas de dezembro, quando tudo pede alegria, agora percebo que temos que construí-la de novo.

Das coisas tristes e felizes de dezembro. Das coisas e pessoas de dezembro.

Da vida insana de um ano todo.
 

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras