Ano Novo

Por: Lúcia Helena Maniglia Brigagão

341255

Grande exemplo da imensa e diversificada criatividade humana pode ser sentida na abertura e apresentação de filmes. As mais marcantes continuam lembradas, ainda que a trama ou enredo desapareçam da memória. A Pantera Cor de Rosa, por exemplo. Quem assistiu ao filme é capaz de, fechar os olhos, e imaginar o felino em magistral desenho animado, andar mansamente sobre as duas patas traseiras, como se fosse bípede, acompanhando o andamento da especialíssima trilha.

Mensagem tocante, noutra abertura inesquecível e marcante: o início do ano marca o fim de mais uma volta da Terra ao redor do Sol, que durou trezentos e sessenta e cinco dias, às vezes um dia a mais; que provocou o aparecimento das quatro Estações; que tem início e final celebrados de diferentes formas pelas culturas, algumas com rituais místicos, outras bastante profanos, algumas com fogos, outras com uma vela apenas. E há até quem, como os chineses, chancela outra data para marcar a importante passagem. Sem assinalamento oficial é que o princípio de algo e o começo de outro, semelhante ou dissemelhante, não fica.

Terminar algo e começar outro – ciclo, relacionamento, livro, tarefa, obrigação, empreitada, viagem e mesmo o novo ano - traz de volta e reaviva sentimentos que a rotina, o cansaço, o pesado cotidiano, a mesmice, a teimosia, o orgulho e a monotonia, teimam em eliminar. Traz a esperança de acerto; a coragem para enfrentar desafios e tomar atitudes; a alegria pela perspectiva de novas e intensas experiências; a abertura de possibilidades infindas de reencontros; as oportunidades de recomeços e retomadas; a reconstrução de certezas e, principalmente, abre o empedernido e por vezes descompassado coração humano para novas perspectivas.

Realizada a importante transição, sugerem-me adotar posturas, que me auxiliarão na travessia dos próximos trezentos e sessenta e cinco dias. Primeira, Faxinar: limpar gavetas, armários, passar para a frente tudo que não me serve mais: pessoas, roupas, sapatos, atitudes minhas e alheias, relacionamentos e mudar o foco. Segunda, Parar: dar-me tempo para olhar todos os lados, analisar todos os ângulos, respirar, escolher, decidir e, só depois, agir. Terceira, Perdoar: ofensas, má-criações, desaforos, erros próprios e dos outros, gafes, idem. Abraçar mais, muito mais, crianças, parentes e amigos; abraço é libertador e curativo. Quarta, Agradecer: mostrar gratidão pelo ar, pelo mar, pelo céu, por existir, pensar e poder amar todos aqueles que me rodeiam. Quinta, reconhecer que posso não ser tão perfeita, quanto imagino ser e quero que as pessoas sejam. Feliz 2017!

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras