Mary dos Mal-Queridos

Por: Mirto Felipim

348281

(Para Mary, parceira de tantas madrugadas dos idos setenta e quatro, na rua São Lourenço-Uberaba-MG )

Enquanto existir a noite
E o corpo resistir
Vou me soltando por aí
Sem querer me deprimir.
E nem quero saber
Se o tempo está quente
Se há crise nos cartéis
Eles que se arrebentem.
Prefiro meus coronéis
Com seus presentes coloridos
Sou a Mary dos Mal-Queridos
E não olho por partidos
Pois não faz nenhum sentido
Olhar de onde vem
O dinheiro amanhecido
Que sempre me convém.

Envie seu texto
e faça parte do Nossas Letras